PlayStation 5: Tudo que sabemos até agora sobre o PS5

Estamos entrando na geração do imediatismo, disse Laura Miele, directora de estúdio da Electronic Arts

A Sony anunciou na semana passada, alguns dos recursos do PlayStation 5.
A empresa também confirmou o ano de lançamento, o que levará algum tempo durante a temporada de férias 2020. Assim sendo, com base no que anunciado, aqui está tudo o que sabemos sobre o console da próxima geração até agora.


O controle


O controle do console terá um feedback táctil, providenciado pelos actuadores da bobina de voz nos grips da esquerda e da direita, que substituirão o recurso de vibração tradicional que a maioria dos controles modernos possui. O feedback táctil é uma tecnologia que permite uma gama mais ampla de vibrações e trepidações, mas cada tipo de feedback táctil é diferente. Por exemplo, o Switch, possui HD Rumble, que é uma forma de feedback táctil. Embora a Sony ainda não tenha divulgado detalhes sobre o feedback táctil, parece ser semelhante ao HD Rumble e terá vários níveis de vibração para simular o que está acontecendo na tela.

O controle do PS5 também contará com gatilhos adaptáveis ​​para os botões L2 e R2. Isso permitirá que os gatilhos sejam programados para um nível específico de resistência e possivelmente tenham tensão, de modo a empurrar o dedo do jogador, semelhante ao que seria segurar uma flecha em um arco.

A Wired confirmou que o controle estará usando um conector USB Type-C para carregar. Isso significa que os controladores carregarão muito mais rápido, semelhante a um telefone recente. O alto-falante no controle também retornará, embora melhorado.


As características

O console ainda vai usar jogos físicos, possuirá um SSD, será compatível com o PlayStation 4, será compatível com áudio 3D e TVs de 8k. O PlayStation VR é compatível com o PS5; Embora o PS5 suporte TVs de 8k, não significa que será capaz de suportá-las por completo. Uma vez que a tecnologia 8k ainda é nova, o PS5 provavelmente precisará ser actualizado para aproveitar ao máximo esse recurso.

O PlayStation 5 usará discos ópticos de 100GB e uma unidade óptica BluRay de 4k. A instalação de jogos a partir de discos ainda será obrigatória, mas as instalações serão mais personalizáveis. Podendo instalar apenas o modo multiplayer ou parte de uma campanha, além de excluir partes de um jogo instalado para economizar espaço.

A tela inicial será mais flexível, pois os jogadores poderão inicializar um jogo em uma missão específica ou seção multiplayer e até ver quais recompensas ganharão por isso. Ainda é desconhecida a aparência da interface do usuário, a capacidade de armazenamento do SSD e se o controle terá um microfone.


As especificações

O console incluirá uma CPU Ryzen “Zen2” de 8 núcleos e 16 threads x86-64-AMD. Isso colocaria o console em linha com os actuais processadores Ryzen 7 de nível intermediário da AMD. Basicamente, cada um dos 8 núcleos é usado para realizar tarefas simultaneamente, seja navegando no menu inicial ou calculando a trajectória de uma bala. Ele sempre dirá à GPU o que renderizar em relação a você e a outros objectos do jogo. Os 16 threads permitirão dobrar o trabalho com um processo chamado “multi-threading”; assim, parecerá que o console realmente possui 16 núcleos. E, quando se trata de fazer várias coisas ao mesmo tempo, quanto mais núcleos, melhor.

Por fim, o PlayStation 5 também usará o Ray-Tracing no nível do hardware. O Ray-Tracing é um novo modelo de iluminação que simula a física da iluminação no mundo real, resultando em uma impressionante iluminação 3D em jogos.

Alguns desenvolvedores já têm kits de desenvolvimento do PS5 e alguns estão falando da velocidade do console. Marco Thrush da Bluepoint Games mencionou à Wired que os tempos de carregamento são parecidos com o carregamento instantâneo dos jogos de cartuchos. A directora de estúdio da Electronic Arts, Laura Miele, também elogiou a velocidade do console, proclamando que estamos entrando na “geração do imediatismo”.

Prepare o seu bolso, ja estamos quase em 2020. E ficar ouvindo comentários dói.

Fonte: CBR